Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Select a Page:
Scroll to top

Top

Mais publicações

Revista Qualidade – 2016 – Edição 3

20/02/2017 |
indice Exprimentem!… em Menos Tempo, com Menos Custos e mais Eficácia Julieta Caniço Seleção Multicritérios […]

Revista Qualidade – 2016 – Edição 4

15/02/2017 |
indice Qualidade, Crescimento e Competitividade Controlo da Conformidade Cerimónia de Reconhecimentos Boas Práticas na Segurança […]

TMQ – Temático 3 – Saúde | 2016

11/01/2017 |

Este número temático 3 sobre o Setor da Saúde vem na senda dos dois números já publicados sobre o mesmo tema, o que resulta da importância que a TMQ dedica ao setor. Esperamos que este nosso interesse se traduza na publicação frequente de outros números, e com a colaboração de editores convidados.

O setor da saúde tem importância relevante no bem-estar e na qualidade de vida das populações. A gestão de unidades de saúde tem de responder às necessidades e expetativas dos cidadãos. Estas aumentam e diversificam-se, quer por força das maiores exigências dos utentes, quer pelos impactes da evolução demográfica.

VII Encontro de Tróia

02/12/2016 |
O VII Encontro anual da RIQUAL realizou-se no dia 3 de junho de 2016 no Hotel Aqualuz em Tróia. Após 2 anos de realização fora, decidimos regressar ao local de origem, prática que pretendemos manter no futuro. Assim, nos próximos dois anos o Encontro realizar-se-á nas regiões Norte e Centro. O VII Encontro contou com 60 inscrições e 26 comunicações.

Em 2019 regressaremos a Tróia para o X Encontro, o qual pretendemos comemorar de forma adequada.

Abordagem por Processos

11/01/2017 |
Este artigo aborda a fase dos testes prévios à condução do Planeamento de Experiências (DOE), usando pela primeira vez uma ferramenta da área dos sistemas de engenharia para uma melhor definição do problema de qualidade a analisar, permitindo também uma melhor seleção dos fatores controláveis e respetivos níveis e gamas operatórias. Esta nova ferramenta, baseada numa amplamente conhecida ferramenta de sistemas de engenharia chamada Matriz de Estrutura de Projeto (DSM), foi denominada como Matriz de Não-Conformidades (NCM), sendo uma matriz que sistematiza as não-conformidades originadas ao longo da linha de produção, destacando as inter-relações entre elas de uma forma estruturada. O artigo também aborda as principais diretrizes a ter em conta quando se realizam os testes prévios ao desenho de experiências escolhido, tendo como base uma caso de estudo real de um processo de fabricação de bens de consumo, i.e. aerossóis em folha-de-flandres. Esta nova proposta permite uma modelação holística de todo o sistema de produção, tendo-se revelado uma ferramenta valiosa para uma aplicação mais eficaz do DoE.

Palavras-Chave: Matriz de Não-Conformidades, Planeamento de Experiências, Testes pré-experimentais.

TMQ – Número Especial – Técnicas Avançadas da Qualidade

01/11/2016 |

Este número especial sobre Técnicas Avançadas vem na senda do número sobre Abordagens Lean, o qual teve a coordenação de um Editor Convidado. Esperamos que, após este segundo caso, outros números especiais possam também ser editados com a colaboração de outros Editores Convidados.

As dinâmicas em que as organizações têm de desenvolver as suas atividades apresentam muitas pressões para resultados impactantes de curto prazo, o que, por um lado, leva os decisores a privilegiarem abordagens que respondam a essa necessidade (como é o caso das abordagens Lean), mas por outro lado, tendem a esquecer outras técnicas e métodos com resultados provados, mas com maior grau de complexidade.

Caracterização profissional e grau de satisfação dos licenciados em Fisioterapia da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

11/01/2017 |
Este estudo tem como finalidade fazer um levantamento sobre o percurso profissional e a satisfação dos alunos que concluíram a Licenciatura em Fisioterapia na ESTeSL entre os anos de 2009 e 2011. A recolha de dados foi efetuada através de um questionário elaborado para o efeito que foi enviado por correio eletrónico. O tratamento estatístico foi realizado através do software SPSS. Responderam ao questionário 53 elementos, 38 do sexo feminino e 15 do sexo masculino, com média de idades de 25 anos e média da nota final de 15,36 valores. Relativamente às variáveis em estudo observamos que 73,58% dos licenciados obtiveram o seu primeiro emprego entre 0 e 6 meses após a conclusão do curso. A maior parte dos licenciados, tiveram um (28,30%) ou dois (26,42%) empregos em seu percurso profissional e 13,21% ainda não tiveram qualquer emprego. Atualmente 35,85% encontram-se em regime de prestação de serviços e 30,19% estão desempregados. Constatamos que a maior parte (67,57%) aufere menos de 750 euros líquidos por mês. A maioria (56,60%) nunca frequentou formação adicional. Quanto à satisfação com a situação profissional, 35,85% estão “Pouco satisfeitos” e 30,19% estão “Satisfeitos” ou “Nada satisfeitos”. Com relação ao percurso profissional a maioria se considera “Satisfeito” (37,74%) ou “Pouco satisfeito” (33,96%). Quanto à situação da profissão, 49,06% afirma que a situação dos fisioterapeutas em Portugal está “Má” e 43,40% consideraram a situação “Insuficiente”. Quanto ao grau de satisfação com a formação, a grande maioria (60,38%) considera-se “Satisfeito”. Este estudo é importante para conhecer a opinião dos recém-licenciados quanto à formação recebida, encontrar soluções que contribuam para uma melhoria da empregabilidade e inserção profissional e também para uma melhor adequação dos cursos às necessidades do mercado de trabalho e à realidade da atividade profissional.

Palavras-Chave: Fisioterapia, formação, inserção profissional, satisfação profissional.

Revista Qualidade – 2016 – Edição 1e2

27/07/2016 |
principais Temas

Testes burn-in

Lean ou TRIZ?

Parte I – Diretrizes para uma aplicação bem-sucedida do Design of Experiments – DoE

Cartas de controlo com dados Autocorrelacionados

Auditar a Norma ISO 9001:2015

(in)Satisfação dos consumidores em análise

Claro que estamos a falar de competitividade!

Pedro de Almeida Cardoso

Um sistema à medida das respostas sociais

Turismo em alta

Portugal é um destino turístico suatentável?

Noticias

Qualidade na prestação de serviço aos cidadãos e utentes

Instituto Português da Qualidade celebra 30 anos

APQ participa nas atividades da EOQ em Helsínquia

ASQ the global state of Quality 2 research 2016

VII Encontro de investigadores da Qualidade e da RIQUAL em Tróia

Workshop EFQM Excellence beyond

20 anos ao serviço do setor social

APQ no Congresso Paraíbano de Excelência em gestão

Espaço APQ – Breves

Testes burn-in

Aplicação do modelo EFQM ao sector da saúde

11/01/2017 |
As organizações do sector da saúde estão sujeitas a um escrutínio e pressão crescentes por parte das sociedades. Têm a responsabilidade de apresentar resultados cada vez melhores ao mesmo tempo que o ambiente onde operam se torna mais exigente, independentemente da sua estrutura accionista ou natureza. Uma das formas de atingir este objectivo é a aplicação de modelos de gestão pela qualidade, o que já vem sendo feito há vários anos. O modelo de excelência da European Foundation for Quality Management (EFQM) é um dos modelos de referência em excelência e qualidade, e o mais utilizado na Europa. No entanto, em Portugal, as organizações do sector da saúde não têm procurado o reconhecimento pela Fundação. Como a aplicação do modelo tem particularidades próprias em cada sector de actividade, e como há inúmeras organizações com o reconhecimento da EFQM, o presente artigo procura em primeiro lugar descrever as particularidades da aplicação do modelo ao sector da saúde. Em segundo lugar, procura identificar qual tem sido a evolução da sua aplicação neste sector, quer na Europa, quer em Portugal. Estes objectivos são alcançados através da realização de entrevistas semiestruturadas com responsáveis ligados à implementação do modelo, por uma análise bibliométrica e por uma análise da base de dados da EFQM. Conclui-se que há várias particularidades na aplicação do modelo a este sector e que a evolução recente tem confirmado a existência dessas características próprias. Sugerem-se para o futuro novas linhas de investigação que possam complementar estes dados.

Palavras-Chave: EFQM; Implementação de modelos de excelência; Qualidade; Saúde.

Influência de conhecimentos, habilidades e atitudes dos profissionais de saúde na propensão para a notificação de incidentes/eventos adversos

11/01/2017 |
A redução de riscos é de vital importância para a melhoria da qualidade dos cuidados de saúde e, como tal, a segurança do doente e a gestão do risco clínico tornaram-se uma parte importante da gestão hospitalar. Neste contexto, os sistemas de notificação de erros (incidentes/eventos adversos) representam uma ferramenta importante para uma gestão eficaz dos riscos, permitindo a identificação dos mesmos e das causas subjacentes, facilitando a aprendizagem e impedindo a recorrência dos mesmos. Embora seja reconhecida a importância da notificação de erros para a garantia da segurança do doente, continua a haver uma subnotificação dos mesmos. Baseado numa preocupação em conhecer as razões que influenciam o compromisso com a segurança do doente e a notificação de erros, este estudo analisa, através de uma investigação empírica, a potencial influência do nível de conhecimentos, habilidades e atitudes dos profissionais de saúde relativamente à segurança do doente, na frequência de notificação de erros. Utilizou-se como método de colheita de dados o questionário on-line obtendo-se uma amostra de 152 questionários respondidos por profissionais de saúde. Através de um modelo de regressão linear múltipla concluiu-se que os conhecimentos, habilidades e atitudes dos profissionais apenas explicam 11,8% da variação na frequência de notificação de eventos adversos e que apenas os conhecimentos tem valor preditivo na frequência de notificação.

Palavras-Chave: Atitudes; conhecimento; gestão do risco; habilidades; notificação de erros; segurança do doente.

Estudo Comparativo entre o Tonómetro de Aplanação de Goldmann e o Tonómetro de Não Contacto em pacientes com Glaucoma Primário de Ângulo Aberto

11/01/2017 |

Objectivo: Avaliar se o Tonómetro de Não Contacto (TNC) é uma alternativa apropriada ao Tonómetro de Aplanação de Goldmann (TAG) para medir a Pressão Intraocular (PIO).

Métodos: A Pressão intraocular (PIO) foi medida através do TNC Topcon CT-80A e pelo TAG AT 900 Haag-Streit, em 106 olhos de 53 pacientes normotensionais e em 82 olhos de 41 pacientes com Glaucoma Primário de Ângulo Aberto (GPAA).

Resultados: Os grupos são homogéneos relativamente à idade, ao género, à paquimetria, à queratometria. O TNC dá valores médios superiores aos do TAG, em ambos os olhos e em ambos os grupos. No grupo controlo para ambos os olhos e no grupo em estudo no OE existem diferenças significativas entre a medida dos dois tonómetros (p<0.005). Através da análise de Bland e Altman verificou-se que no grupo controlo no OD, 81.145% da diferença das medidas entre ambos os tonómetros estavam entre ± 3mmHg, no OE 86.792% estavam entre ± 3mmHg. No grupo em estudo no OD, 80.487% das diferenças das medidas medições estiveram entre os ± 3mmHg e no OE 75.609% estavam entre ± 3mmHg. Observou-se uma correlação linear fraca positiva não significativa entre a PIO e a ECC e uma correlação fraca negativa não significativa entre a curvatura da córnea e a PIO.

Conclusões: Em indivíduos normotensionais é recomendável a comprovação através do TAG em valores elevados de ECC (ECC>580 µm). Em doentes com diagnóstico de GPAA, PIO obtidas pelo TNC com valores superiores a 16mmHg necessitam de comprovação pelo TAG.

Palavras-Chave: Precisão das medições, Glaucoma, Pressão Intraocular, Tonometria.

Avaliação de Tecnologia em Saúde na Abordagem da Patologia Mamária (Health Technology Assessment in Breast Pathology)

11/01/2017 |
Aplicada à patologia mamária, a Avaliação de Tecnologia em Saúde (HTA) surge como uma metodologia de suporte à decisão, na escolha da tecnologia imagiológica para diagnóstico e follow-up, e na implementação de guidelines para a prevenção eficaz. A amostra de estudo é constituída por 1803 utentes do Centro Hospitalar Lisboa Central, EPE, que realizaram exames imagiológicos associados à patologia mamária, nos 1ºs trimestres de 2011 e 2012. Dos exames realizados, 51% foram ecografias, 44% mamografias e 5% ressonâncias magnéticas. As faixas etárias mais referenciadas situam-se entre os 40 e os 70 anos, sendo 22% do intervalo 40-50 anos, 24% entre os 50 e 60 e 20% entre 60 e 70 anos. A faixa etária 30-40 inclui 11% das utentes, sugerindo a necessidade de iniciar o rastreio mais cedo. Todos os casos selecionados para os procedimentos de intervenção apresentaram tempos de espera iguais ou inferiores a quatro semanas entre o diagnóstico e o tratamento, cumprindo as recomendações em análise. A HTA funcionou como um instrumento de apoio na análise de dados e metodologia de investigação. Na prática assistencial imagiológica permitiu identificar os procedimentos e protocolos usados no Centro Hospitalar em estudo, compará-los com as recomendações nacionais e internacionais e sugerir estratégias de boas práticas.

Palavras-Chave: Avaliação de Tecnologia em Saúde, Imagiologia, Patologia mamária, Prevenção Diagnóstico e Follow-Up.

Esquemas alternativos para o tratamento do cancro da próstata permitindo otimização de recursos e manutenção da qualidade do tratamento

09/01/2017 |
Este artigo aborda a fase dos testes prévios à condução do Planeamento de Experiências (DOE), usando pela primeira vez uma ferramenta da área dos sistemas de engenharia para uma melhor definição do problema de qualidade a analisar, permitindo também uma melhor seleção dos fatores controláveis e respetivos níveis e gamas operatórias. Esta nova ferramenta, baseada numa amplamente conhecida ferramenta de sistemas de engenharia chamada Matriz de Estrutura de Projeto (DSM), foi denominada como Matriz de Não-Conformidades (NCM), sendo uma matriz que sistematiza as não-conformidades originadas ao longo da linha de produção, destacando as inter-relações entre elas de uma forma estruturada. O artigo também aborda as principais diretrizes a ter em conta quando se realizam os testes prévios ao desenho de experiências escolhido, tendo como base uma caso de estudo real de um processo de fabricação de bens de consumo, i.e. aerossóis em folha-de-flandres. Esta nova proposta permite uma modelação holística de todo o sistema de produção, tendo-se revelado uma ferramenta valiosa para uma aplicação mais eficaz do DoE.

Palavras-Chave: Matriz de Não-Conformidades, Planeamento de Experiências, Testes pré-experimentais.

Acuidade do Eletrocardiograma no Diagnóstico de Hipertrofia Ventricular Esquerda em Indivíduos Hipertensos no Distrito de Portalegre

09/01/2017 |
Este artigo aborda a fase dos testes prévios à condução do Planeamento de Experiências (DOE), usando pela primeira vez uma ferramenta da área dos sistemas de engenharia para uma melhor definição do problema de qualidade a analisar, permitindo também uma melhor seleção dos fatores controláveis e respetivos níveis e gamas operatórias. Esta nova ferramenta, baseada numa amplamente conhecida ferramenta de sistemas de engenharia chamada Matriz de Estrutura de Projeto (DSM), foi denominada como Matriz de Não-Conformidades (NCM), sendo uma matriz que sistematiza as não-conformidades originadas ao longo da linha de produção, destacando as inter-relações entre elas de uma forma estruturada. O artigo também aborda as principais diretrizes a ter em conta quando se realizam os testes prévios ao desenho de experiências escolhido, tendo como base uma caso de estudo real de um processo de fabricação de bens de consumo, i.e. aerossóis em folha-de-flandres. Esta nova proposta permite uma modelação holística de todo o sistema de produção, tendo-se revelado uma ferramenta valiosa para uma aplicação mais eficaz do DoE.

Palavras-Chave: Matriz de Não-Conformidades, Planeamento de Experiências, Testes pré-experimentais.

Uma nova abordagem à seleção de variáveis para o planeamento de experiências

01/11/2016 |
Este artigo aborda a fase dos testes prévios à condução do Planeamento de Experiências (DOE), usando pela primeira vez uma ferramenta da área dos sistemas de engenharia para uma melhor definição do problema de qualidade a analisar, permitindo também uma melhor seleção dos fatores controláveis e respetivos níveis e gamas operatórias. Esta nova ferramenta, baseada numa amplamente conhecida ferramenta de sistemas de engenharia chamada Matriz de Estrutura de Projeto (DSM), foi denominada como Matriz de Não-Conformidades (NCM), sendo uma matriz que sistematiza as não-conformidades originadas ao longo da linha de produção, destacando as inter-relações entre elas de uma forma estruturada. O artigo também aborda as principais diretrizes a ter em conta quando se realizam os testes prévios ao desenho de experiências escolhido, tendo como base uma caso de estudo real de um processo de fabricação de bens de consumo, i.e. aerossóis em folha-de-flandres. Esta nova proposta permite uma modelação holística de todo o sistema de produção, tendo-se revelado uma ferramenta valiosa para uma aplicação mais eficaz do DoE.

Palavras-Chave: Matriz de Não-Conformidades, Planeamento de Experiências, Testes pré-experimentais.

Recuperar Password

Por favor, introduza o seu e-mail. Vai receber uma nova password via e-mail.