A qualidade dos cuidados de enfermagem e a norma ISO Aplicação empírica no Hospital Cuf Infante Santo

2.00

CARMEN BASTOS • MARGARIDA SARAIVA

Informação adicional

Índice

1. INTRODUÇÃO
2. REVISÃO DA LITERATURA
2.1. QUALIDADE EM SAÚDE
2.2. CULTURA ORGANIZACIONAL
2.3. NORMA ISO
3. PROBLEMÁTICA E OBJECTIVOS DO ESTUDO
4. MÉTODO
4.1. PARTICIPANTES
4.2. MODELO DE ANÁLISE
4.3. INSTRUMENTO E PROCEDIMENTOS
5. RESULTADOS
6. DISCUSSÃO FINAL

Referências Bibliográficas

ABREU, W., M. SILVA, F. SEVIVAS e C. OLIVEIRA (2006). Manual da Qualidade, Sistema de Gestão
da Qualidade. 3.ª ed. Porto: Edição SINASE.
ASHTON, C. (1993). ‘Mindset or mechanism?’ The TQM Magazine. Vol. 5. N. 2, pp.43.
CARAPETO, C. e F. FONSECA (2006). Administração Pública: Modernização, Qualidade e Inovação.
2.ª ed. Lisboa: Edições Sílabo.
CHASE, R. (1993). ‘Differing perceptions’. The TQM Magazine. Vol. 5. N. 2, pp.19-21.
CHRISTO, M. (2001). Certificação: necessidade sim, moda não! Revista Qualidade em Saúde, N
5, pp. 16-21.
EVANS J. e W. LINDSAY (2002). ‘The Management and Control of Quality’. 5th Edition. Australia:
South-Western Editor.
GODINHO, M. e S. NETO (2001). Qualidade: uma prática secular. Lisboa: Secretariado para
Modernização Administrativa.
IPAC. INSTITUTO PORTUGUÊS DA QUALIDADE. (2008). Base de Dados Nacional. Sistema
de Gestão Certificados [Consult. 11.11.08 e 12.10.09]. Disponível em
http://www.ipac.pt/pesquisa/lista_empcertif.asp.
IPQ. INSTITUTO PORTUGUÊS DA QUALIDADE (2001). NP EN ISO 9001:2000. Sistemas de
gestão da qualidade. Requisitos, 2.ª ed. Lisboa: IPQ.
IPQ. INSTITUTO PORTUGUÊS DA QUALIDADE (2008). NP EN ISO 9001:2008. Sistemas de
gestão da qualidade. Requisitos. 3.ª ed. Lisboa: IPQ.
KHAN, M. e N. HAFIZ (1999). ‘Development of an expert system for implementation of I.SO 9000
quality systems’. Total Quality Management. Vol. 10. N. 1. pp. 47-59.
PIRES, A. (2004). Qualidade – sistemas de gestão da qualidade. 3ª ed. Lisboa: Edições Sílabo, Lda.
POLLITT, C. e G. BOUCKAERT (1995). ‘Quality Improvement in European Public Services’. 1st ed.
Great Britain.
ROCHA, J. (2006). Gestão da Qualidade: aplicação aos serviços públicos. Lisboa: Escolar Editora,.
SARRICO, C. e M. ROSA (2007). Qualidade e Acreditação no Ensino Superior: Modelos e Tendências
Actuais. Seminário Políticas de Ensino Superior: Quatro Temas em Debate. Lisboa:
Edição do Conselho Nacional de Educação: p. 377-402.
SARAIVA, M. e P. LACERDA (2005). A qualidade no ensino superior – implementação e obstáculos.
IX Colóquios Andaluces sobre Temas Empresaríales, Escuela Universitária de Osuna,
Espanha: [Consult. 18 06 2006]. Disponível em <http://217.125.73.170/imasd/proyectos/
/coloquios/trabajos/organizacion/AQUALIDADENOENSINOSUPERIOR
IMPLEMENTAOEOBSTCULOS.pdf.
SARAIVA, P., M. P.Rosa e J.D’OREY (2006). Análise sectorial do ensino. In Lurdes Capelas e
Ana Paiva (Coord.), Manual prático para a certificação e gestão da qualidade com base
nas normas ISO 9000:2000. Lisboa: Verläg Dashofer.
SARAIVA, P., M. ROSA, J. D’OREY e P. SÁ (2000). ISO 9000 para instituições de ensino e formação.
Instituto Português da Qualidade.
SILVA, J. (2000). Qualidade, Cidadania e Modernização Administrativa. Revista Portuguesa de
Administração e Politicas Públicas. Lisboa: APAPP. Vol. 1, N. 1. pp. 106-111.
VROEIJENSTIJN, A. (1995). ‘Improvement and Accountability: Navigating Between Scylla and
Charybdis’. Guide for External Quality Assessment in Higher Education. London: Jessica
Kingsley Publishers.