Hermenêutica Histórica da Sustentabilidade

Avaliado 5.00 em 5 baseado em 1 avaliação de cliente
(1 opinião de clientes)

2.00

JOAQUIM ALMEIDA

Resumo

A Sustentabilidade e o Desenvolvimento Sustentável vão sendo entendidos de uma forma estranha ao seu próprio conceito. Uma hermenêutica da Sustentabilidade, lida a partir da sua história, poderá contribuir para um conhecimento profundo do seu significado. A partir dos mitos de origem e da criação, consubstancia-se a capacidade argumentativa dos quatro fatores essenciais da Sustentabilidade e da sua Ecologia. Serão eles a ecologia económica, a ecologia ambiental, a ecologia social e a ecologia cultural: quatro noções fundamentais que comporão a história da Sustentabilidade e as suas raízes. Mais recentemente, partindo do século XVI e persistindo até ao século XVIII, as preocupações da ecologia ambiental dos bosques na Alemanha iniciaram um novo percurso rumo à Sustentabilidade. As preocupações foram sendo alargadas até que no século XX a ONU (Organização das Nações Unidas) empreende um conceito mais capilar do “Desenvolvimento Sustentável” o qual prossegue no século XXI. Nesse sentido o presente trabalho, elaborado no âmbito da tese de doutoramento, “Sustentabilidade: Importância das ecologias ambiental, social e cultural na ecologia económica – caso das indústrias exportadoras do metal”, pretende ser introdutor duma perceção mais substantiva da Sustentabilidade.

Palavras-Chave: Ambiente, Ecologia, Economia, Social e Cultural.

Informação adicional

Índice

1.INTRODUÇÃO
2. A HERMENÊUTICA DA SUSTENTABILIDADE
2.1. MITOS DE ORIGEM
2.2. DOS SÉCULOS ANTES DE CRISTO
2.3. SÉCULOS XVI-XVIII
2.4. SÉCULO XX
2.5. SÉCULO XXI
2.6. INCLUSÃO DO PILAR CULTURAL – QUARTO PILAR DA SUSTENTABILIDADE
2.7 – SUSTENTABILIDADE NO CONTEXTO ORGANIZACIONAL
3. TABELA INTERPRETATIVA (TABELA 12)
4. CONCLUSÕES

Curriculum Vitae

Joaquim Armindo Pinto de Almeida. PhD (c). Auditor Sénior da APCER. Doutorando em Ecologia e Saúde Ambiental. Mestre em Gestão da Qualidade. Pós-Graduado em Saúde Ambiental / Sistemas Integrados de Gestão / Saúde e Segurança / Gestão Ambiental. Bacharel em Engenharia Mecânica e Ciências Religiosas. Diácono da Diocese do Porto

Referências Bibliográficas

AAVV (2015). Grande Dicionário HOUAISS da Língua Portuguesa. Edição do Círculo de Editores. Volumes II, III, VI. 1.ª Edição. Lisboa.

Almeida, J.A.P. (2013). Da Saudabilidade à Certificação – Caso da Indústria Metalúrgica e Eletromecânica. Dissertação de mestrado em Gestão da Qualidade. Universidade Fernando Pessoa. Porto. Editora Publindústria. Porto. pp 101.

APA – Agência Portuguesa do Ambiente (2007). Guia Agenda 21 Local. Um desafio para todos. Lisboa. Acedido a 11 de junho de 2016, em: http://www.apambiente.pt/_zdata/Instrumentos/GestaoAmbiental/A21L/GuiaAgenda21Local.pdf.

Beck, München (2002). Modewort mit tiefen Wurzeln; kleine Begriffchichte von sustainability und Nachhaltigkeit. Danzer Group ou U. Grober. Jahrbuch Ӧkologie 2003.pp 167-175.

Begin, v. G. (2004). Inspiring futures for European local governments. Local Environment. Vol. 9 (3),

Bíblia(1998). Livro do Génesis. Editado pela Difusora Bíblica. 1.ª Edição. Fátima. pp. 213-216.

Boff, L. (2012). La sostenibilidade – Qué es y no es. Editora Presença Social. Espanha.

Beier, U. (1996). The Origin of life and death – African Creation Mythes. East African Educational Publisher. Nairobi.

CCRC- Climate Change Research Centre (2007). Declaração de Bali Climate por cientistas. Acedido a 16 junho 2016, em: http://www.climate.unsw.edu.au/news/2007-bali-climate-declaration-scientists.

Carlowitz, H. C. (1732). Sylvicultura Oeconomica. Leipzig.

Conferência de Paris das Nações Unidas (2015). Conselho da União Europeia sobre Alterações Climáticas. Acedido a 19 de junho 2016, em: http://www.consilium.europa.eu/pt/meetings/international-summit/2015/11/30/

Conservation of Nature and Natural Resources (1980). World Conservation Strategy – Living Resource Conservation for Sustainable Development. (1980). Acedido a 20 de junho 2016, em: https://portals.iucn.org/library/efiles/edocs/WCS-004.pdf.

Chirac, J. (2002). Cultural Diversity and Biodeversity for Sustainable Development. Acedido a 20 de junho 2016, em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001322/132262e.pdf.

Dennerlein, Birgitta (2011). Nachhaltigkeit. Ausführliche Erklärung der ausgewählten Definition anzeigen, Mindmap zurücksetzen, Kompaktansicht. Acedido a 23 de junho 2016, em: http://wirtschaftslexikon.gabler.de/Definition/nachhaltigkeit.html#beziehungen..

Decisão do Conselho, de 25 de Abril de 2002, relativa à aprovação, em nome da Comunidade Europeia, do Protocolo de Quioto da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as alterações climáticas e ao cumprimento conjunto dos respetivos compromissos. Jornal Oficial nº L 130 de 15/05/2002 p. 0001 – 0003 2002/358/CE.

Decisão 2006/944/CE da Comissão, de 14 de dezembro de 2006, que determina os níveis de emissão atribuídos respetivamente à Comunidade Europeia e a cada um dos seus Estados-Membros no âmbito do Protocolo de Quioto, em conformidade com a Decisão 2002/358/CE [Jornal Oficial L 358 de 16.12.2010].Alterada por: Decisão 2010/778/UE da Comissão, de 15 de dezembro de 2010. Jornal Oficial L 332 de 16.12.2010.

Decisão da Comissão, de 15 de Dezembro de 2010, que altera a Decisão 2006/944/CE da Comissão, que determina os níveis de emissão atribuídos respetivamente à Comunidade e a cada um dos seus Estados-Membros no âmbito do Protocolo de Quioto, em conformidade com a Decisão 2002/358/CE do Conselho [notificada com o número C (2010) 9009]. [notificada com o número C (2010) 9009]. Jornal Oficial L 332 de 16.12.2010.

Declaração de Gaia (2007). Declaração de Gaia sobre o Condomínio da Terra. Acedido a 16 de junho 2016, em: http://www.earth-condominium.org/pt/envolva-se/declaracao-de-gaia/.

European Commission (2002). Protocolo de Quioto relativo às alterações climáticas. Acedido a 13 de junho 2016, em: http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=URISERVl28060.

European Union. Charter of European Cities & Towns Towards Sustainability (1994). Charter Aalborg. Acedido 11 de junho 2016, em: http://portal.uur.cz/pdf/aalborg-charter-1994.pdf.

European Union (2007). Carta de Leipzig sobre Ciudades Europeas Sostenibles Acedido 16 junho 2016, em: http://www.upv.es/contenidos/CAMUNISO/info/U0506083.pdf.

Finnsson, P. T. (2016). Cultura – o quarto pilar da sustentabilidade. Acedido a 19 de junho, em: http://nordicway.org/2014/06/culture-fourth-pillar-sustainability/#.V2fd7rgrLIU.

Guilherme, L. (2007). Economia da cultura e desenvolvimento sustentável: O caleidoscópio da cultura. Políticas Culturais em Revista, 2 (1), pp. 230-233.

GRI – 4 Global Reporting Initiativ (2013). Diretrizes para Relatórios de Sustentabilidade G4. Acedido a 20 de junho 2016, em: https://www.globalreporting.org/standards/g4/Pages/default.

Gonçalves, D. B. (2004. Desenvolvimento sustentável: o desafio da presente geração. Revista Espaço Acadêmico. Maringá, v. 5, n. 51, pp. 1-7.

GPP – Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral (2010). Estratégias de Conservação da Biodiversidade. Acedido a 15 de junho 2016, em: http://www.gpp.pt/ambiente/biodiversidade/Biodiversidade.pdf .

Handl, Günter (2012). ONU – Declaração de Estocolmo (1972). Acedido a 23 de maio 2016, em: http://www.unep.org/Documents.Multilingual/Default.asp?DocumentID=97&ArticleID=1503&l=en.

Hens, L., Nath, B. (2003). The Johannesburg Conference. Acedido a 23 de maio 2016, em:https://www.researchgate.net/profile/Luc_Hens/publication/227001090_The_Johannesburg_Conference/links/56f1780208aee9c94cfd6ad6.pdf.

Holden, E., Linnerud, K.;Bannister, D. (2014). Sustainable Development: Our Common Future revisited. Global Environmental Change. 26. pp. 130-139.

Horta, K. (2010). Two Decades after the Rio Earth Summit: Sustainable Development Quo Vadis?. E-Journal of International Relations. Vol.2, nº2.

Hoffmann, Wagner (2010). Bioética e o Princípio Responsabilidade de Hans Jonas. Acedido a 7 de junho 2016, em: http://www.institutosapientia.com.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=1154:bioetica-e-o-principio-responsabilidade-de-hans-jonas&catid=31:general&Itemid=110.

Hawkes, J. (2001).The Fourts Pillar of Sustainability Culture’s essential role in public planning. Acedido a 19 de junho 2016, em: http://www.culturaldevelopment.net.au/community/Downloads/HawkesJon(2001)TheFourthPillarOfSustainability.pdf.

IUCN, UNEP, WWF (1980). Word Conservation Strategy. Acedido a 9 de junho 2016, em: https://portals.iucn.org/library/efiles/edocs/WCS-004.pdf.

ICNF- Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (2010). Convenção da Diversidade Biológica. Protocolo de Nagoia. Acedido a 15 de junho 2016, em: http://www.icnf.pt/portal/naturaclas/ei/cbd/prot-nagoia.

Lovelock, J. E. (1989). Gaia: uma nova visão da vida na Terra. Edições 70. Lisboa. pp. 27

Lopes, W.E.S. (2008). A Fundamentação Metafísica do Princípio. Responsabilidade em Hans Jonas. Tese de Mestrado em Filosofia. Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia. Belo Horizonte. Brasil. pp 140.

Marichalar, A. (2015). Cimeira de Paris sobre o clima. Acedido a 20 de junho 2016, em: http://www.cop21paris.org/.

Meadows, D. H.; Meadows, D. L.; Randers, J.; Behrens III, W. W. (1972), The Limits to Growth: a report for the Club of Rome’s project on the predicament of mankind. Universe Books.

Melo J.J. (2008). Os anos 90 em Portugal: a mudança de paradigma. Acedido a 11de junho 2016, em: https://run.unl.pt/bitstream/10362/5120/1/Melo_2008.pdf .

Mossé, Claude (2013). História do Mundo Antigo. Editora Círculo de Leitores. Lisboa.

Monteiro, M.H (2001).Rosa do Mundo. Editora Assírio e Alvim. Porto, pp 1-86.

United Nations (2000). United Nations Millennium Declaration. Resolution adopted by the General Assembly. Acedido a 14 de junho 2016, em: http://www.preventionweb.net/files/13539_13539ARES552ResolutiononUNMillenniu.pdf.

United Nations (1987). Report of the Worl Comission on Environment and Development: “Our Common Future. University Press, Oxford.

Passerini, L. (1993). Mitobiografia em História. pp 29-40

ONU (2015). Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Acedido a 19 de junho 2016, em: https://nacoesunidas.org/conheca-os-novos-17-objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel-da-onu/.

Reis, A. C. F. (2007). Economia da cultura e desenvolvimento sustentável: O caleidoscópio da cultura. Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana.

Reis, A. C. F.. (2012). Cidades Criativas: da teoria à prática. pp 1-20.

Rosambi, D.H. (1962). Myth and Reality. Popular Prakasshan. Bombay. India.

Santos, D. V.C., Contador, A. L., Crescencio, A.A. (2012). Representations of the urban space in the Epic of Gilgamesh: Uruk of the great walls. Revista Sapiência: sociedade, saberes e práticas educacionais – UEG/UnU Iporá v. 1, n. 2, p. 115-129 – jul/dez 2012. Acedido a 20 de junho 2016, em: http://www.mkmouse.com.br/livros/AUrukdasGrandesMuralhas-110-350-1-PB.pdf.

UNESCO (2010). Culture: Fourth Pillar of Sustainable Development. Acedido a 19 de junho 2016, em: http://www.agenda21culture.net/index.php/docman/-1/393-zzculture4pillarsden/file

United Nations (2002). World Summit on Sustainable Development. Johannesburg Declaration on Sustainable Development. Acedido a 20 de junho 2016, em: http://www.un-documents.net/jburgdec.htm.

United Nations (1997). Kyoto Protocol on Climate Change. Acedido a 11 de junho 2016, em: http://www.un.org/en/index.html.

United Nations (2012). The Future We Want. United Nations Conference on Sustainable Development. Acedido a 19 de junho 2016, em: https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/733FutureWeWant.pdf.

Koerich, M.S., Machado, R.R., & Costa, E. (2004). Ética e Bioética: Para dar início à reflexão. Texto & Contexto Enfermagem, 14. pp. 106-110

WCED (1987). Our Common Future. Report of the World Comission on Environment and Development. Oxford University Press.

World Congress on Governance and Law for Environmental Sustainability. (2011). Declaração de Kuala Lumpur. Acedido a 15 de junho 2016, em: http://www.unep.org/delc/worldcongress/Portals/24151/KL_Statement_in_Word_PORTUGUS.pdf.

Werbach (2010). Estratégia para a Sustentabilidade – Uma nova forma de Planejar sua Estratégia Empresarial. Elsivier Editora Lda, São Paulo – Brasil.

1 avaliações de Hermenêutica Histórica da Sustentabilidade

  1. Avaliação 5 de 5

    Joana Duarte

    Teste

Adicionar uma avaliação

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *