Níveis de Referência de Diagnóstico em Mamografia a Nível Nacional

2.00

JOÃO FATANA • PEDRO CARVOEIRAS • NUNO TEIXEIRA • GILDA CUNHA

Resumo

Foi conduzido um estudo a nível nacional para avaliar as doses em mamografia e estabelecer os níveis de referência de diagnóstico (NRD’s), de acordo com os requisitos Europeus. O estudo abrangeu a avaliação da kerma no ar na superfície de entrada (ESAK) e da dose média glandular (AGD) em 52 equipamentos de mamografia digital localizados em hospitais públicos e clínicas privadas e que provaram previamente cumprir os padrões Europeus de qualidade a níveis aceitáveis. A ESAK foi medida considerando a atenuação de 3 espessuras diferentes de PMMA (40, 45 e 50 mm) em condições semelhantes às clínicas e a AGD foi determinada por cálculo baseado na ESAK. O estudo determinou os NRD’s relativos à ESAK e à AGD para pacientes submetidos à mamografia com sistemas de processamento digital de fabricantes e classes distintos, em projeção crânio-caudal e assumindo que a espessura da mama típica se encontra no intervalo de espessuras entre 45 e 60 mm e tem uma composição de cerca de 50% de tecido glandular e 50% de tecido adiposo. A análise da amostra sugere uma grande variação a nível de doses sendo que, a título de exemplo, a AGD variou no intervalo de 0,49 a 2,80 mGy, para uma qualidade de imagem comparável. Os NRD’s obtidos a partir do valor do terceiro quartil (percentil 75) da distribuição geral dos equipamentos foram de 9,63 mGy para a ESAK e de 1,93 mGy para a AGD. Os NRD’s estabelecidos são comparados com dados publicados na literatura.

Palavras-chave: Dose Glandular Média; Kerma no Ar na Superfície de Entrada; Mamografia; Níveis de Referência de Diagnóstico.

Informação adicional

Índice

1. INTRODUÇÃO
2. MATERIAIS E METODOLOGIA
3. RESULTADOS E DISCUSSÃO
4. CONCLUSÕES

Referências Bibliográficas

ACS, American Cancer Society (2008). Cancer statatistics. Acedido em 25 de Março de 2012, em http://www.cancer.org. Alvarenga, F. (2008). Análise de Parâmetros e Controle da Qualidade de Sistemas de Radiologia Computadorizada para Mamografia. Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear, Comissão Nacional de Energia Nuclear. Belo Horizonte. Berns, E., Hendricks, R., Cutter, G. (2003). Optimizacion of technique factors for a silico diode array full-field digital mammography system and comparison to screen film mammography with matched average glandular dose. Medical Physics. 30: 334-340. Carvoeiras et al. (2012). Níveis de Referência de Diagnóstico em Mamografia. Avaliação da exposição da população Portuguesa a radiações ionizantes devido a exames médicos de rádiodiagnostico e medicina nuclear. Lisboa. CEC, European Commission (1996b). European Guidelines on Quality Criteria for Diagnostic radiographic images. Report EUR 16260, Luxembourg. CEC, European Commission (1996c). European Protocol on Dosimetry in Mammography. Report EUR 16263, Luxembourg. CEC, European Commission (2001). Radiation Protection 109: Guidance on Diagnostic Reference Levels (DRL’s) for medical exposures. ISBN 92-828-7775-2. Office for Official Publications of the European Communities, Luxembourg. CEC, European Commission (2006). European guidelines for quality assurance in mammography screening. Report EUR 14821 4th ed. Office for official publications of the European communities, Luxembourg. Chevalier, M. et al. (1998). Breast dose measurements on a large group of patient: results from a year period. Radiation Protection and Dosimetry. 80: 187-190. Dance, D. R. et al. (2000). Influence of anode/filter material and tube potential on contrast, signal-to-noise ratio and average absorbed dose in mammography: a Monte Carlo study. Journal of radiology. 73: 1056-1067. Dantas, M. (2010). Controle de Qualidade e Dose de Entrada na Pele em Serviços de Mamografia que Utilizam o Sistema de Radiografia Computadorizada. Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear, Comissão Nacional de Energia Nuclear. Belo Horizonte. Decreto – Lei nº 180/2002 de 8 de Agosto. Diário da República nº 182/2002 – I Série A. Ministério da Saúde. Lisboa. Dirección Xeral de Saúde Pública (2000). Control de Calidad en Mamografía – Guía Prática 2000. Acedido em 24 de Agosto de 2012, em: http://www.sergas.es Diretiva nº 97/43/EURATOM de 30 de Junho de 1997. Health Protection of individuals against the dangerous of ionizing radiation in relation to medical exposure and repealing Directive 84/466/Euratom. Conselho da União Europeia. Fatana, J. (2012). Medição dos níveis de referência em Mamografia. Tese de Mestrado em Engenharia Biomédica. Universidade Nova de Lisboa – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Monte da Caparica. Gentry, J. e Dewerd, L. (1996). TLD measurements of in vivo mammographic exposure and calculated mean glandular dose across the United States. Medical Physics. 23: 899-903. IAEA, International Atomic Energy Agency (2005). Optimization of the Radiological Protection of Patients: Image Quality. Vienna. Klein, R. et al. (1997). Determination of average glandular dose with morden mammography units for two large groups of patients. Physics in Medicine and Biology. 42: 651-671. Kruger, R. e Schueler, B. (2001). A survey of clinical factors and patient dosein mammography. Medical Physics. 28: 1449-1454. Lawinski, C. (2008). Buyer’s guide: Digital mammography. Centre for Evidence-based Purchasing (CEP), London. Mattsson, A., Leitz, W. e Rurqvist, L. (2000). Radiation risk and mammographic screening of woman from 40 to 49 years of age: effect on breast cancer rates and years of life. British Journal of cancer. 82: 220-226. Morán, P., Chevalier, M. e Vañó, E. (1994). Comparative study of dose and image quality in mammography in the area of Madrid. Br. J. Radiol.. 67: 556-63. Morán, P. et al (2000). Breast doses from patients and from a standard phantom: analysis of differences. Radiation Protection and Dosimetry. 90: 117-121. MQSA and FDA Regulations (2007). The ACR’s Mammography Accreditation. The 1999 ACR Mammography Quality Control Manual. Acedido a 10 de Agosto de 2013, em: http://www.acr.org. Obenauer, S., Hermann, K. e Grabbe, E. (2003). Dose reduction in full-field digital mammography: an anthropomorphic breast phantom study. The British Journal of radiology. 76: 478-482. OECD, Organisation for Economic Co-operation and Development (2012). OECD statistical series. [Online]. Acedido em 2 de Junho de 2012, em http://stats.oecd.org. Portal de Oncologia Português. Os números do cancro da mama em Portugal. Acedido em 24 de Agosto de 2012, em: http://www.pop.eu.com. Schubauer-Berigan, M., Frey, G. e Baron, H. D. (2002). Mammography dose in relation to body mass index, race and menopausal status. Radiation protection dosimetry. 98: 425-32. SEFM, SEPR, SERAM (2011). Protocolo Español de Control de Calidad en Radiodiagnóstico. Senda Editorial, S.A. Madrid. Teles, P. et al. (2012). Relatório sobre os resultados do projecto Dose Datamed 2 Portugal. Acedido em 23 de Julho de 2012, no Web site do: Instituto Tecnológico e Nuclear: http://www.itn.pt/projs/ddm2-portugal/Relatorio_Dose_Datamed2_Portugal.pdf. Thilander, A. et al. (1992). Special problems of patient dosimetry in mammography. Radiation Protection Dosimetry. 43: 217-220. Torres, R. (2010). Mamografía digital: estado actual de la tecnología. Radiología. 52 (S1): 7–13. Young, K. C. et al. (1998). Review of dosimetric methods for mammography in the UK breast screening programme. Radiation Protection Dosimetry. 80: 183-186. Young, K.C. (2002). Radiation doses in the UK trial of breast screening in women aged 40-48 years. The British Journal of radiology. 75: 362-370.

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Níveis de Referência de Diagnóstico em Mamografia a Nível Nacional”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *