Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Select a Page:
Scroll to top

Top

No Comments

TMQ – A Qualidade numa Perspectiva Multi e Interdisciplinar – Qualidade e Saúde: perspectivas e práticas – Edição Especial

TMQ – A Qualidade numa Perspectiva Multi e Interdisciplinar – Qualidade e Saúde: perspectivas e práticas – Edição Especial

Editores:

Carlos Alberto da Silva

Margarida Saraiva

António Teixeira

Índice

Edição Completa – 5 €

  • «Toda a organização é o produto da forma como os seus membros pensam e agem. Mude a forma como as pessoas pensam e interagem e poderá mudar o mundo.»

    Senge et al. (1990)

    Um mundo com qualidade é aquilo que todos desejamos nas e para as nossas vidas. Embora a ideia de qualidade seja largamente utilizada no meio industrial e dos serviços, a sua aplicação no seio dos serviços e cuidados de saúde tem vindo a ganhar cada vez maior expressão. Caracterizando a intervenção em saúde moldada pelo imperativo da resolução eficaz e eficiente dos problemas da saúde-doença, pela exigência de respostas interactivas no quadro dos recursos organizacionais e profissionais na qual se inscreve, fomentar e sedimentar a qualidade na prestação de cuidados de saúde se exige, em primeira e em última instância, uma transferência rigorosa das metodologias, modelos e demais lógicas processuais da qualidade na estrutura dos cuidados de saúde, aspectos que requerem uma profunda reflexão sobre a reorganização da governança de todo o sistema de saúde. É precisamente pela relevância da problemática da qualidade no actual contexto de mutação do mundo organizacional da saúde que aqui se apresentam algumas exposições, reflexões e situações, sistematizadas numa primeira edição temática da Revista TMQ – Qualidade, e ancoradas em perspectivas multi e interdisciplinares aplicadas à área da saúde. Longe de ser uma mera agregação de textos, os artigos apresentados em seguida, encontram-se agrupados segundo quatro quadrantes de abordagem, que subjazem no eixo estruturante da Revista. A figura 1 apresenta essa estrutura adoptada.
    Figura 1 - Modelo Geral

    Figura 1 – Modelo Geral

    Assim, focalizando os artigos em temas que vão desde uma abordagem mais genérica até à especificidade tecnicista das práticas em qualidade, passando por temas de ordem conceptual e contextual ou ainda de ordem operacional, é oferecido ao leitor uma imagem sobre a complexidade das tendências, perspectivas e exemplificações de algumas das práticas actuais no sector da saúde. No primeiro quadrante são apresentados três artigos que abordam as principais tendências das perspectivas actuais sobre o movimento da qualidade na saúde: 1) Qualidade em Saúde: da definição de políticas à avaliação de resultados; 2) Portugal: Centros de Saúde, Qualidade e Governação Clínica; 3) Visão Simbiótica de Qualidade em Saúde – Busca Contínua pela Melhoria. Assim, inicia-se a presente edição temática com um artigo de Paulo Sousa, onde se aborda de forma crítica a relação entre as políticas de saúde e a qualidade dos cuidados prestados. Trata-se de uma reflexão sobre os desafios da qualidade em saúde, e das implicações que subjazem nos esforços e investimentos dos profissionais de saúde e das organizações para potenciar serviços com benefícios para os doentes. A avaliação da qualidade dos cuidados prestados é perspectivada como um lugar privilegiado de passagem para a garantia e a melhoria contínua da qualidade no sistema de saúde, de âmbito público, privado ou social. Rui Lourenço apresenta uma reflexão sobre os caminhos para a governação clínica nos centros de saúde portugueses e as suas implicações no contexto da qualidade na organização da prestação de cuidados de saúde. Através de um olhar sobre a reforma em saúde em curso em Portugal, realça o papel determinante da Governação Clínica na implementação dos Agrupamentos dos Centros de Saúde e na Gestão da Mudança. A necessidade de uma «Visão Simbiótica de Qualidade em Saúde» que permita alcançar a melhoria contínua da qualidade dos cuidados em saúde, é uma proposta de abordagem de Silvana Revez e Carlos da Silva. Num breve ensaio, os autores focalizam a sua reflexão nos dilemas da qualidade, enquanto processo contínuo para a obtenção de resultados desejados em saúde. Da análise efectuada, colocam em evidência que a tomada de decisão na escolha das melhores estratégias para implementar um processo de melhoria e de desenvolvimento da qualidade não é linear, aspectos que implicam a envolvência de uma rede organizada de actores sociais e políticas organizacionais. Para a sedimentação deste cenário se impõe a adopção duma visão simbiótica da acção colectiva entre actores, sendo crucial quando se pretende uma melhoria na qualidade dos serviços de saúde, tendo o utente/doente no centro do sistema. O segundo quadrante é composto por três artigos que mobilizam o enfoque no plano das interacções humanas na construção dos caminhos para a melhoria da qualidade na prestação de cuidados de saúde: 4) Desafio para o Futuro: Usar humor para aumentar a qualidade em saúde; 5) Qualidade e Comunicação nas Organizações de Saúde: Aplicação Prática no HCIS; 6) Qualidade no Relacionamento entre Profissionais de Saúde e Doentes. Este segundo bloco de artigos inicia com um trabalho de Helena José e António Abrantes. Os autores apresentam um artigo para explicitar a importância do humor nas relações entre os profissionais de saúde e os utentes/clientes/doentes. O uso do humor é apresentado como uma das possibilidades de sucesso da qualidade dos cuidados de saúde prestados aos cidadãos, na medida em que, sendo um mecanismo de coping, o humor possui não só o potencial para ajudar as pessoas a viver a vida com alegria e felicidade, mas também a capacidade para aumentar a produtividade e a satisfação profissional, bem como a capacidade para melhorar a garantia da qualidade dos cuidados de saúde prestados. Paula Quintino e Margarida Saraiva debruçam sobre a «Qualidade e a Comunicação nas Organizações de Saúde», tomando como pano de fundo a importância duma rede sustentada de comunicação com qualidade na prestação de cuidados de saúde. Tendo em conta esta realidade no plano da eficiência e da eficácia organizacional, as autoras apresentam os resultados dum estudo sobre a temática que permitiram colocar em evidência que os diferentes modos de agir e de gerir a comunicação, designadamente os decorrentes da praxis dos enfermeiros, estão directa e proporcionalmente relacionados com a satisfação do cliente/utente/doente, e consequentemente com a qualidade percebida dos serviços prestados por este grupo profissional. A qualidade do relacionamento entre profissionais de saúde e doentes é bem ilustrada no artigo de Manuel Agostinho. Baseado num estudo de orientação qualitativa, é apresentado no artigo os principais factores que subjazem no envolvimento do doente nos cuidados de saúde, assim como nos modelos de relacionamento de interacção pessoal e de relacionamento clínico. Os resultados do estudo sugerem o princípio da autodeterminação do doente como pano de fundo do relacionamento na prestação de cuidados, aspecto que se deve desenvolver no quadro dos princípios éticos e deontológicos dos médicos e dos enfermeiros, e sobretudo nos termos dos dispositivos pragmáticos da qualidade como é preconizado pelos sistemas de gestão da qualidade, nomeadamente da Joint Commission International. O terceiro quadrante aborda os aspectos operacionais da auditoria, da avaliação de sistemas específicos das unidades da saúde e da importância do controlo estatístico da qualidade, sendo composto pelos seguintes artigos: 7) Aspectos Conceptuais e Metodológicos da Qualidade em Saúde: a Acreditação Hospitalar pela Joint Commission International; 8) Qualidade dos Sistemas de Informação num Serviço de Radiologia; 9) Manual da Qualidade e Abordagem por Processos: O caso de uma Sala de Mamografia; 10) Controlo Estatístico da Qualidade e Saúde; 11) Controlo Estatístico do Processo – monitorização do desempenho de equipamento radiológico. Tendo em conta a complexidade das perspectivas sobre o conceito de qualidade, quer como elemento central da gestão organizacional e dos processos de auditoria, quer como marca de garantia e segurança dos doentes, Maria Helena Almeida, Ana Isabel Lopes e Carlos Alberto da Silva debruçam sobre uma experiência de utilização do processo de Acreditação Hospitalar através das linhas de orientação da Joint Commission International. O relato deste caso permite colocar em evidência que a segurança do doente, o desenvolvimento contínuo da qualidade, a certificação e a acreditação constituem os principais elementos a ter em conta nas políticas organizacionais de saúde. Ana Fonseca e Paulo Resende da Silva apresentam um artigo sobre a «Qualidade dos Sistemas de Informação em Radiologia». Discutem as razões lógicas da implementação dos sistemas de informação a fim de melhorar a qualidade dos procedimentos e do processo clínico e de gestão. Apresentam os resultados dum estudo desenvolvido num serviço de radiologia de um hospital. Analisaram e avaliaram os perfis caracterizadores dum sistema de informação específico em saúde, colocando em evidência que uma gestão cuidada na sua implementação e um uso profícuo por actores co-responsáveis pela qualidade dos serviços prestados, os mesmos sistemas de informação permitem potenciar uma melhoria da qualidade de desempenho dos profissionais de saúde. As auditorias e a sua abordagem por processos, bem como a normalização e aperfeiçoamento dos processos auditados constituem os eixos da proposta de trabalho realizada por Rui Almeida, Carlos da Silva, Ana Rosalina Fernandes, António Abrantes e Luís Ribeiro. Para os autores, a melhoria dos procedimentos dos serviços prestados num serviço de radiologia hospitalar, nomeadamente os de uma sala de mamografia digital, passa pela aplicação criteriosa de adequadas ferramentas de gestão ao serviço, assim como, pelo cumprimento rigoroso das normas e processos. O presente artigo visa contribuir para o reforço da importância para a elaboração e uso dos manuais de qualidade, enquanto elementos de referência e de uniformização dos métodos a aplicar na gestão da qualidade em saúde, designadamente no que se refere à satisfação do utente e à optimização dos processos. A importância do «Controlo Estatístico da Qualidade e Saúde» constitui a pro- posta de reflexão de Jorge Varanda. Tendo em conta a diversidade dos sistemas e situações organizacionais da prestação de cuidados de saúde, se exige cada vez mais o combate ao desperdício e o encontro de soluções para a eliminação dos erros. Para o autor, face à necessidade de medição, melhoria e controlo, numa perspectiva de aperfeiçoamento contínuo, é necessário resolver os problemas crónicos duma organização de serviços de saúde. Para o efeito, o autor propõe a implementação e desenvolvimento de uma nova abordagem lógica e estruturada na gestão das organizações de serviços de saúde, designadamente através do uso de dados e instrumentos apropriados, onde o controlo estatístico encontra um lugar privilegiado de passagem. Gilda Cunha, Nuno Machado e Nuno Teixeira debruçam-se sobre as lógicas do controlo estatístico do processo para a monitorização do desempenho do equipamento radiológico. Com base em material empírico, os autores demonstram não só a importância das cartas de controlo como uma ferramenta útil num programa de controlo de qualidade de um equipamento radiológico, mas sobretudo colocam em evidência que a realização de uma análise estatística dos resultados obtidos periodicamente permite acompanhar o desempenho do(s) equipamento(s) num serviço de saúde, sem a qual não é possível efectuar com rigor uma previsão de desvios sistemáticos ao funcionamento óptimo do sistema de diagnóstico por imagem. Para finalizar o presente número temático sobre a Saúde, apresenta-se no quarto quadrante uma outra leitura dos processos da qualidade em saúde, tomando como pano de fundo a problemática das relações interorganizacionais através de um artigo intitulado «Qualidade em Saúde: Diagnóstico e análise da rede social na prestação de cuidados de saúde a crianças com diabetes», da autoria de Mafalda Silva, Raquel Costa, Carlos da Silva, Joaquim Fialho, José Saragoça, Luísa Pedro e Maria Asensio. Os autores procuram através de um estudo empírico abordar a validade e a explicitação da importância das redes sociais no processo de garantia da qualidade dos cuidados. Os autores apresentam de forma pragmática as linhas metodológicas da análise de redes sociais para descodificar os fluxos e vínculos específicos dos actores envolvidos no processo de organização e gestão da prestação de cuidados de saúde a crianças com diabetes. Os resultados do estudo permitiram, por um lado, identificar determinados padrões de interacção entre organizações sociais e de saúde, e por outro lado, compreender a influência desses padrões no comportamento dos stakeholders da saúde. A recente criação da consulta de diabetes pediátrica na estrutura intra-hospitalar e o centro de saúde da área geográfica estudada emergem como um dos principais recursos de acesso da comunidade. Apesar das dificuldades descodificadas, designadamente na gestão da informação e na articulação, o presente trabalho permite fazer relevar que os profissionais de saúde demonstraram um crescente envolvimento e responsabilização na melhoria da qualidade dos cuidados e sobretudo no reforço dos meios para auditar os processos de articulação na rede de cuidados de saúde a crianças com diabetes. Em suma, os diferentes artigos apresentados no presente número temático constituem algumas das propostas possíveis de abordagem para a salvaguarda dos elevados padrões de qualidade em saúde, sendo ainda de admitir que o acréscimo de responsabilização e envolvimento dos actores na gestão e garantia da qualidade nos serviços de saúde passa pela necessária alavancagem duma nova lógica de acção governativa nas organizações, eventualmente consubstanciada por um outro modelo de governação clínica e técnica dos sistemas integrados de melhoria da qualidade.
  • Título: TMQ – A Qualidade numa Perspectiva Multi e Interdisciplinar_Qualidade e Saúde: perspectivas e práticas_Número Temático 1 1a Edição Lisboa, 2010. ISSN online 2183-0932 ISSN: 1647-6263
    EDIÇÕES SÍLABO, LDA. R. Cidade de Manchester, 2 1170-100 Lisboa Telfs.: 218130345 Fax: 218166719 e-mail: silabo@silabo.pt www.silabo.pt
    Conselho editorial: António Teixeira (ISCTE-IUL, Lisboa) Albino Lopes (ISCTE-IUL, Lisboa) Alfonso Vargas-Sanchez (Universidade de Huelva) Álvaro Rosa (ISCTE-IUL, Lisboa) António Cruz (Instituto Português de Qualidade) António Ramos Pires (Instituto Politécnico de Setúbal) Carlos Noronha (Universidade de Macau) Carlos Alberto da Silva (Universidade de Évora) Elizabeth Reis (ISCTE-IUL, Lisboa) Esteban Peréz (Universidade da Extremadura) Francisco Guerreiro (ISCTE-IUL, Lisboa) José Figueiredo Soares (Associação Portuguesa para a Qualidade) José Gomes Requeijo (Universidade Nova de Lisboa) Jorge Casas Novas (Universidade de Évora) Margarida Mano (Universidade de Coimbra) Maria de Fátima Jorge (Universidade de Évora) Maria João Rosa (Universidade de Aveiro) Nelson Santos António (ISCTE-IUL, Lisboa) Paula Brito Silva (José de Mello Saúde) Rogério Puga Leal (Universidade Nova de Lisboa) Rosalia Lavarda (URI Santiago – Brasil) Siew Huat Kong (Universidade de Macau) Zulema Lopes Pereira (Universidade Nova de Lisboa)
    Lista dos Autores Ana Fonseca Ana Isabel Lopes Ana Rosalina Fernandes António Abrantes Carlos Alberto da Silva Gilda Cunha Helena José Joaquim M. Fialho Jorge Varanda José M. L. Saragoça Kevin Azevedo Luísa Pedro Luís Ribeiro Mafalda I. F. Silva Manuel Agostinho Matos Fernandes Maria Asensio Maria Helena Almeida Margarida Saraiva Nuno Machado Nuno Teixeira Paula Quintino Paulo Jorge Santos Sousa Paulo Resende da Silva Raquel A. Costa Rui Lourenço Rui Pedro Almeida Silvana Cardoso Revez

Comente o Artigo

Recuperar Password

Por favor, introduza o seu e-mail. Vai receber uma nova password via e-mail.