FORGES Volume 4 / Número 2

Forges-V2-N1-Banner

Índice

Autonomia, formação e responsabilidade social: finalidades essenciais da universidade

JOSÉ DIAS SOBRINHO



Ensino superior & ciência: perspetivas para um futuro

JOAQUIM MOURATO // GONÇALO JUSTINO



A flexibilização das universidades federais brasileiras: uma nova forma de gerenciamento institucional

RAPHAEL LACERDA DE ALENCAR PEREIRA // ALDA MARIA DUARTE ARAÚJO CASTRO



O propósito desenvolvimentista da universidade em angola

TERESA ALMEIDA PATATAS



Representações sociais do papel e da função de ser e estar na docência universitária das ciências exatas e da natureza: desafios para o século XXI

NATHALI GOMES DA SILVA // MARIA DA CONCEIÇÃO CARRILHO DE AGUIAR



Variáveis relevantes na implementação do modelo sociocognitivo da carreira, junto das instituições de ensino superior em Angola: pragmatismo e reflexões

ANA PAULA ELIAS



O desafio da formação continuada didático-pedagógica no contexto do ensino superior: sentidos, significados e balanços

RENATA DA COSTA LIMA // MARIA DA CONCEIÇÃO CARRILHO DE AGUIAR



Para que(m) servem a universidade e as instituições do ensino superior? Desafios acerca do papel do docente nas ies no séc XXI

GODWEN VEREMU // ELISA MIGUEL NHAMUAVE MATOLA



O sistema de avaliação da educação superior: algumas considerações acerca do modelo brasileiro

SIMONE BRAZ FERREIRA GONTIJO



O sistema de ensino superior em Macau

LUCIANO DE ALMEIDA



Aconselhamento de carreira / coaching de carreira: aprendizagens comuns

MARIA EDUARDA DUARTE



Currículo inovador: um caminho para os desafios do ensino superior

MASETTO, MARCOS T. // CECILIA GAETA



Editorial

Aí está a revista FORGES n.º 4! Uma revista académica não se lê como um romance, de A a Z. Cada leitor faz a sua opção livre de leitura dos artigos. Certamente o leitor encontrará algum “embaraço de escolha” de qual será o primeiro artigo a ler neste número da revista!

De novo, a revista apresenta contribuições valiosas provenientes de vários pesquisadores, de vários países, visando aperfeiçoar os seus desígnios de se constituir como uma plataforma de divulgação de ensaios, de estudos, de investigações em língua portuguesa sobre o ensino superior, fazendo o encontro entre os domínios da gestão e da docência. São artigos provenientes de políticas e de práticas em curso e de refl exões sobre essas práticas, relacionadas com a análise institucional e organizacional, com os recursos humanos, com a internacionalização, com o financiamento, proporcionando mais conhecimento da realidade para uma melhor ação, sobretudo quando a educação terciária vem adquirindo cada vez maior importância e relevância socio-económica-cultural. A revista é, assim, um contributo, ainda que micro, para o pensamento crítico sobre o ensino superior e para o seu desenvolvimento, pois todo o desenvolvimento é desenvolvimento humano, tendo uma elevadíssima correlação com a educação/formação e com a investigação.

- “A revista inicia com José Dias Sobrinho, da Universidade Estadual de Campinas, Brasil, que contribui com o artigo “Autonomia, formação e responsabilidade social: finalidades essenciais da universidade”. De imediato encontramos, Joaquim Mourato e Gonçalo Justino, do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, Portugal, que apresentam “Ensino superior & ciência: perspetivas para um futuro”. Depois, Raphael Lacerda de Alencar Pereira e Alda Maria Duarte Araújo Castro, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte escrevem sobre “A fl exibilização das universidades federais brasileiras: uma nova forma de gerenciamento institucional”. Por seu turno Teresa Almeida Patatas, da Escola Superior Politécnica do Namibe, Angola, convoca-nos a refletir sobre “O propósito desenvolvimentista da universidade em Angola”. Em seguida, temos Nathali Gomes da Silva e Maria da Conceição Carrilho de Aguiar, da Universidade Federal de Pernambuco, Brasil, que apresentam o artigo “Representações sociais do papel e da função de ser e estar na docência universitária das ciências exatas e da natureza: desafi os para o Século XXI”. Segue-se o artigo de Ana Paula Elias, Ministério do Ensino Superior, Angola, sobre “Variáveis relevantes na implementação do modelo sociocognitivo da carreira, junto das instituições de ensino superior em Angola: pragmatismo e reflexões”. Surge, então o trabalho de Renata da Costa Lima e Maria da Conceição Carrilho de Aguiar, Brasil, intitulado “O desafio da formação continuada didático-pedagógica no contexto do ensino superior: sentidos, signifi cados e balanços”, logo seguido do artigo de Godwen Veremu e Elisa Miguel Nhamuave Matola, do Instituto Superior Politécnico de Manica, Moçambique, “Para que(m) servem a universidade e as instituições do ensino superior? Desafios acerca do papel do docente nas IES no séc. XXI”. Encontramos depois o artigo de Simone Braz Ferreira Gontijo, do Instituto Federal de Brasília, Brasil, apresentando uma refl exão sobre “O sistema de avaliação da educação superior: algumas considerações acerca do modelo brasileiro”.

- “Política do cotidiano no contexto da globalização: um olhar sobre desafios da gestão didáctico-pedagógica no ensino superior”, de Maria da Conceição Carrilho de Aguiar;

- “O ensino superior em Cabo Verde: fundações e fundamentos”, de Maria Adriana B. G. Sousa Carvalho.

- “Ensino superior em Angola: desafios e oportunidades ao nível institucional”, de Cristóvão Simões, Maria do Rosário Sambo, Albano Ferreira e Mário Fresta;

- “Instituições de ensino superior: como e por quê diagnosticar seu DNA?”, de António Vico Mañas;

- “As competências do professor na história do ensino superior Angolano”, de Teresa Almeida Patatas.

Luisa Cerdeira

Lisboa, 3 de Fevereiro de 2016