Revista Qualidade 2018 – Edição 2

Índice

Teste Automático de Processos de Negócios

José Granate Marques

Resumo

A validação automática de processos de negócios de ponta-a-ponta pode ser uma tarefa desafiadora, mas uma maneira importante de verificar se as regras de negócio estão a funcionar corretamente à medida que as aplicações subjacentes evoluem e contribuir para que os problemas sejam detetados e corrigidos logo que possível.
A plataforma ETAP-Pro é uma plataforma desenvolvida pela Link Consulting, SA que pretende automatizar os testes de processos de negócio ponta-a-ponta gerando casos de teste a partir de modelos descritos em BPMN - Business Process Model Notation.



A Importância das Pessoas na Gestão da Qualidade

António Fernandes

Resumo

Na gestão, são as pessoas que fazem a diferença. Na realidade, isto nem sempre é reconhecido. No entanto, o anexo B da norma ISO 9001:2015, releva a importância das pessoas através da norma ISO 10018 - Gestão da qualidade – Linhas de orientação relativas ao envolvimento e à competência das pessoas. Desta forma, a parceria APQ / GPI realizada recentemente, disponibiliza uma plataforma modular de assessments online, através da solução “Software as a Service” (SaaS).
Esta solução está alinhada com as orientações da norma ISO 10018, respondendo às questões de cariz comportamental, cognitivo e de interesses.



Melhoria do Processo de Enchimento de uma Linha de Embalagens PET numa Empresa do Setor Alimentar

António W. P. Agostinho, Helena Navas

Resumo

A crescente concorrência sentida nos mercados, incentiva as empresas a recorrerem cada vez mais à melhoria contínua dos seus produtos e processos, para que possam subsistir e manter-se à frente do mercado. Para tal as empresas precisam de investir em inovação sistemática, evolução e criatividade, de forma a complementar os seus processos tradicionais, tornando-os mais eficazes e eficientes, com impacto na satisfação dos clientes e no nível geral da competitividade.
Este estudo teve como objetivo o desenvolvimento integrado, e validação, de um modelo assente na aplicação conjunta de ferramentas do Lean e Metodologia da TRIZ, visando a identificação de desperdícios e oportunidades de melhorias, bem como a implementação de soluções. O modelo foi aplicado nas divisões do armazém e linhas de produção de uma fábrica comprovando, primeiramente, as vantagens na aplicação em conjunto do Lean e TRIZ, bem como a sua aplicabilidade em diferentes contextos. A aplicação do modelo permitiu à empresa melhorar os processos dentro do armazém e linhas de produção,identificando soluções de aplicação simples e imediata, com elevado impacto nos desperdícios identificados, tornando os processos dentro da empresa melhor organizados, com melhor fluxo, reduzindo stocks e estando previsto um grande decréscimo no tempo de picking com a implementação do sistema de localização. No final do estudo foram também efetuadas auditorias 5S das quais obtiveram-se melhorias acima dos 80%.



Teste, Inspeção e Certificação (TIC), uma Perspetiva

António Manuel Ferreira Vilarinho

Resumo

As empresas de TIC têm atingido crescimento tal que deram origem à CEOC (Confederação Internacional das Entidades de Certificação e Inspeções).
O mercado global de TIC, está avaliado em 142 biliões de dólares, sendo expectável que venha atingir cerca de 248 biliões de dólares em 2022. A América do Norte domina o mercado de TIC, a Europa detém a segunda posição no mercado global.
25% do mercado global é dominado por entidades da Suíça, França, Alemanha, Reino Unido, Austrália e EUA. O ISQ é a entidade de referência a nível nacional. A tendência para os próximos anos aponta para uma perspetiva positiva, no entanto, existem algumas incertezas. De entre estas incertezas, apresentam-se, entre outras, o Brexit e a administração Trump. O grande desafio das empresas de TIC será
massificar o “casamento” entre o conhecimento técnico e a tecnologia digital.



A Mudança de Ciclo do ISQ

Pedro de Almeida Matias

Resumo

Pedro de Almeida Matias é licenciado em Gestão de Empresas e mestre em Economia e Gestão de Ciência, Tecnologia e Inovação.
Ao longo da sua carreira profissional assumiu vários cargos de liderança, sendo atualmente presidente do ISQ e membro do Board of Directors da Confederação Internacional das Entidades de Certificação e Inspeções (CEOC).
Diz à Revista Qualidade que a sua presença no ISQ tem como objetivo promover uma mudança de ciclo através do seu conhecimento interno da organização, tendo uma visão externa renovada.
“O ISQ tem de se voltar mais para fora. Para os seus clientes e parceiros. Sobretudo perceber e antecipar tendências. (…) Atua nos setores do automóvel; aeronáutica; aeroespacial; energia e energias renováveis; Oil & Gás e indústrias de processo. (…)
O digital não é uma buzzword ou uma moda. Veio mesmo para ficar. (…) O ISQ integra o Comité Estratégico do Programa “Industria 4.0”. (…)
Este ano a Assembleia Geral da CEOC vai ter precisamente lugar em Portugal o que é uma conquista importante para o nosso país.”



EQUASS 2018: Um Modelo para o Setor Social

Mário da Rocha Ávila

Resumo

O modelo Equass, mais do que um sistema de gestão da qualidade, é um modelo que visa a melhoria das organizações e dos serviços prestados.
Na versão 2018, o Equass apresenta uma adequação na linguagem explicativa dos seus princípios, de modo a que seja mais fácil a sua compreensão. Esta nova versão dá ênfase à implementação (abordagens claras em prática) e ao alcance de resultados (com base em indicadores válidos e relevantes).
Outro dos aspetos fundamentais que a versão 2018 apresenta é o ênfase para a melhoria das aprendizagens e desenvolvimento contínuo, onde práticas de benchmarking passaram a estar prescritas. O Instituto S. João de Deus testemunha o impacto positivo que o modelo Equass confere, entre outros, contribuiu para o aumento da satisfação dos seus colaboradores, assim como, uma melhoria contínua da satisfação das pessoas servidas.
Em Portugal, mais de 90% das Instituições Particulares de Solidariedade Social não tem qualquer certificação de qualidade.



NOTÍCIAS


 

ESPAÇO APQ




Editorial

Cabe-me o editorial deste número, o que faço com todo o gosto neste regresso à Direção da nossa APQ. No editorial da revista anterior foram elencados os desafios para o triénio e a visão com que a nova Direção, na sequência do trabalho que vem sendo feito, encara o futuro.
Nova equipa implica redefinição de pelouros na afetação do trabalho dos vários membros da Direção. Coube ao nosso colega Eng.º Rui Ramos
a responsabilidade pela Direção da Revista Qualidade, o que acontece a partir deste número. Sabemos que não será tarefa fácil suceder à
Prof.ª Maria da Glória Antunes nesta função, mas o entusiasmo com que iniciou o trabalho e a colaboração de todos os Associados na elaboração de artigos e notícias permitirão que a nossa revista mantenha o nível a que nos habituámos. Nada melhor, no início de um mandato, do que ver que a qualidade está “em movimento”. Várias iniciativas tiveram recentemente lugar e outras estão programadas, seja diretamente pela APQ, seja pelos seus Associados. Permitam-me, aqui, destacar alguns dos vários eventos ocorridos em junho e que importa referir pela sua relevância, o IX Encontro de Investigadores da Qualidade, organizado pela RIQUAL, as Jornadas Regionais da Qualidade dos Açores, organizadas pela Delegação Regional, a Innovative Conference 2018, organizada pelo IPBMP, a Assembleia Geral da CEOC Internacional, que representa organismos de certificação e inspeção, organizada pelo ISQ, e o Congresso da EOQ, que decorre em Paris no momento em que escrevemos, e que conta com a participação da APQ. Nesta reunião vai ser feita a apresentação da grande iniciativa que teremos em 2019, que é a organização em Portugal do 63º Congresso EOQ, que terá lugar em Lisboa, nos dias 23 e 24 de outubro, e cujo tema é “Rediscovering Quality”. No site da APQ está já acessível a ligação ao site do Congresso e a inscrição para poderem ir recebendo todas as informações relativas ao evento.
Convém recordar que o Congresso coincidirá com as comemorações do 50º aniversário da APQ e tem como história o Congresso do Estoril, em 1985, com o tema “Quality and Development”, e o Congresso de Lisboa, em 1994, com o tema “A new Culture for a new Europe”.
E, falando em “movimento”, não podemos esquecer todo o processo de transição para as ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 que vai envolver muitos dos nossos associados que ainda não fizeram a transição e que irá, até 15 de setembro, deixar em stress os organismos de
certificação para conseguir dar resposta aos seus clientes, para que estes possam manter os certificados válidos.

Editor
Francisco Barroca
Vice-Presidente da APQ